Aquele abraço



Para aqueles que reclamam dos preços em museus e teatros, mas pagam mais de cem reais em uma boate. Para aqueles que cultivam a cultura, mas preferem guardar o conhecimento na prateleira a mostrar para o povo. Para aqueles que reclamam da política, mas não se lembram em quem votou, porque antes do presidente, o deputado é a sua voz. Para aqueles que acham que cinema só é cinema se for culto, cult, contemplativo, dramático e não sabem o quanto é divertido ver Arnold Schwarzenegger dar tiros para todos os lados e explodir carros.
Um salve também para todos aqueles que se comovem ao ver um cachorro procurando comida no lixo e chamam de trombadinha uma criança dormindo nas ruas ou morando em um barraco quase por cair. Para todos que culpam a mãe natureza pelos deslizamentos, tragédias e enchentes, mas esquecem que construíram em barragens e jogaram lixos nos bueiros.
Um abraço para aqueles que vão à igreja achando que vinte ave-marias bastam para se desculparem e chegando em casa, gozam da desgraça dos outros. Um forte abraço também para todos que querem paz tirando a dos outros. E a todos que bebem e fumam usando o argumento de ser um ato social. Considere minha homenagem também para aqueles que passam horas se lamentando da própria desgraça e usam como desculpa a influência de lua no mapa astral. Para todos que juram eterno amor, mas vejam no sexo casual um divertimento porque traição sua é comédia para os outros.
Um abraço para todos que levantam uma bandeira para qualquer causa. Seja ela o racismo, gays, católicos, evangélicos. Porque parabéns, vocês estão contribuindo para o preconceito. Porque se você é da raça negra, amarela, vermelha ou branca o problema é seu. Eu sou da raça humana. Também aos gays que se comportam como mulheres e às lésbicas que se comportam como homens deixo meu abraço, pois a fantasia que vocês se vestem é mais preconceituosa do que as suas sexualidades. Porque um homem ou mulher que se comporta como o sexo oposto está sendo preconceituoso com ele mesmo.
Não posso me esquecer de mandar meu alô para os que moram em apartamentos no Leblon, Cambuí, Moema, Alphaville ou Jardins e levantam a bandeira hippie e não ao consumismo. Para todos aqueles que vestem a camisa do Che e nem sabem que ele é argentino. Para todas as pessoas que tiram fotos de si mesmas no espelho e postam no Orkut. Para todos que se acham modernos usando roupas e óculos que Bob Dylan usava há 40 anos atrás. Para todos que vão à Tock & Stock comprar móveis contemporâneos e não sabem que nos anos de 1930 a escola Bauhaus já tinha criado tudo isso. Para todos que lêem somente as manchetes de jornais e saem por ai opinando e criando argumentos que sustentam toda burrice humana. Para, também, quem paga milhões de dólares em quadros que teu filho desenharia melhor. E meu último salve para quem não sabe o que significa na tonga da mironga do kabuletê.

13 Andarilhos:

Laís disse...

Vc me ajuda na visão frustada do mundo.Não que isso seja ruim.É bom expressar-se através de outro.De vez enquando outras pessoas tem o poder de carregar o dicionário da tradução de certas coisas.

Aquele abraço!

Ana Seerig disse...

Bah, não tem nem o que dizer depois dessa.

Muito bom, Mayer! Muito bom mesmo!

Mariah disse...

mas por que o moço aí tá mostrando o dedo pra Camila mesmo?

aproveito e deixo também um abraço para aqueles que só vêem a foto do post.....

odeio hippie da Levis

Erica Ferro disse...

"E meu último salve para quem não sabe o que significa na tonga da mironga do kabuletê."

Ganhei um abraço, rs.

Matou a pau, Mayer! Matou a pau, repito!

Muuuuito DUCA esse teu texto!

Mα∂ємσiѕєℓℓe Ѽ disse...

"E meu último salve para quem não sabe o que significa na tonga da mironga do kabuletê"

Pois é mayer, não sei o que significa.

bjs

Vanessa disse...

ganhei vários

Sil disse...

Putamerda! Ganhei um abraço por causa desse "tonga da mironga do kabuletê".... Dá pra explicar o que é isso??? =D

Vanessa Dantas disse...

Aquele Abraço!

Bjs.

Carolina disse...

aquele abraçõ para quem doou roupas e mantimentos para as vítimas das chuvas no Rio, mas que, no fundo, acham que aquelas pessoas foram muito ignorantes ao construírem suas casas em encostas e em lixões.

Sheila Almendros disse...

Dá vontade de ler esse texto aos berros no Vale do Anhagabaú!

Evelyne Freitas disse...

... entrei sem bater então pode ser que mereça "aquele abraço".
muito bom seu post.Crítico, coeso e muito inteligente.

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através Um Lugar ao Sol Perto do Vento, da Ju Fuzetto. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Eu sei que é um abuso da minha parte te mandar essa propaganda control c control v, mas quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Ana Wants Revenge disse...

hehe
muito bom!
;)
.
.
.
.